Documentos estão disponibilizados em plataforma digital para acesso ao público em geral


Preservar, ressignificar e prover acesso público ao patrimônio documental postal brasileiro foi o objetivo do projeto Legado da Memória Postal, realizado pelo grupo de pesquisa Imago e Humanidades Digitais em parceria com o Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano/PE com Patrocînio da .

A proposta foi identificar e tratar documentos do período de 1818 a 1840 – volume 1 de um total de 8 volumes – que constituem o Fundo do Correio Geral, do Arquivo Público, com a finalidade de dispô-los numa plataforma digital de acesso ao público em geral. Os documentos são da administração pública do final do período colonial e dos primeiros quarenta anos do Império, em que, no Rio de Janeiro, estava a Administração Geral dos Correios. Era por meio desse órgão que o Império se comunicava com o restante do território brasileiro para tratar de assuntos como envio de tropas e suprimentos, negociação de terras, ordens eclesiásticas e compra e venda de escravos.“Fizemos um processo de curadoria digital, do volume 1, que é mais amplo do que disponibilizar os documentos em formato digital. A curadoria tem como objetivo planejar, executar e avaliar, de forma constante, tanto o ciclo completo do objeto digital, neste caso as cartas digitalizadas, quanto atuar com uma equipe multidisciplinar na conservação dos documentos originais. A equipe, atualmente, é composta por pessoas que atuam nas áreas da Biblioteconomia, Arquivologia, Museologia, Computação e Administração”, afirma Diego Salcedo, coordenador do grupo Imago e professor no Departamento de Ciência da Informação e no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, ambos da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Pesquisadora em atividade

Foram analisadas e digitalizadas as 314 cartas manuscritas do primeiro volume. Dois softwares interligados, o ICA-AtoMe o Archivematica, que servem para a gestão e descrição de documentos arquivísticos e foram implementados pelo Arquivo Público em 2018, estão sendo utilizados na pesquisa. O ICA-AtoM é um aplicativo de código aberto baseado em padrões para a descrição arquivística num contexto multilíngue, para ambiente web de multiarquivos. Já o Archivematica é a interface de interação com o usuário. É um sistema gratuito de preservação digital de acesso aberto e que utiliza, por exemplo, o AtoM para gerenciar o conteúdo disponibilizado na web. “É um programa de código aberto que facilita o nosso trabalho por contar com parâmetros de descrição, todos eles baseado nas normas brasileiras e internacionais de descrição de documentos arquivísticos”, ressalta Salcedo.

Uma importante ação do projeto foi a realização de duas oficinas de formação da equipe da pesquisa: Introdução à Paleografia, ministrado pelo historiador e paleógrafo Thiago Medeiros e Descrição de Documentos Arquivísticos e as Normas Vigentes no Brasil, ministrado pela professora Danielle Alves, do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). O próximo passo é dar continuidade aos projetos dessa natureza. O projeto pode ser acessado na página eletrônica (http://imagohd.me/memoriapostal), desenvolvida em parceria com a 3Ecologias Pesquisa e Inovação e teve incentivo da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (FUNDARPE) por meio do FUNCULTURA”.  

Verônica Fraidenraich – Jornalista.

Compartilhe